12 julho 2009

artesã


Vou rezar missa inteira — de escapulário e vela na mão. Fazer promessa, correr na chuva, ser lenta igual tartaruga e abrigar e alimentar os humildes. Fazer poesia com rima, pagar pecado alheio, aceitar seu evangelho e lidar com a vida que me lê torto todo dia. Vou pintar muro do vizinho, fazer caridade, expandir minha contínua hipérbole de ser e ler salmo pós salmo e fazer chover. Vou acalentar filho sem mãe, encher bolso vazio, concertar em quarteto de cordas, encenar Cleópatra e ser filosófico clichê romântico em Viena. Viajando através dos dias, serei o triunfo do beijo, a primeira redação infantil e artista do Circo Voador. Artesã das horas, coincidência simplória e dia de pagamento. E, de volta ao meu tempo, me visto de vento, amor violento e faço sorrir toda e qualquer triste criatura que saltar de estrela sem pára-quedas ou poeira etérea. Vou engolir a explosão nuclear. Fazer mudo falar e endireitar a dor trôpega de quem chora sozinho em mesa sem bar. Serei a intimidade da união e a bondade da música de Beethoven. Agudas sinfonias, harmonias, romarias e que ria de mim quem não quiser ser. O céu abriu, nuvem sumiu e Deus é milagre sem hora marcada. Tempo bom, tempo ruim e serei sempre cor e desenho do modelo real. Serei meus irmãos, meu corpo, esperança de moça quieta, Dorothy e sua bicicleta e vento gentil que acorda janelas. Serei você de cara feliz.


Image by Vanessa Decort

10 comentários:

Germano Xavier disse...

Quando a gente acorda feito o sol,
vai e faz a lua emitir a luz amarela. Quando a gente dorme com os olhos abertos, a gente sonha que pode ser.

Camila disse...

Às vezes, também me dá vontade de ser assim. Mais bela por dentro, mais autruísta, mais otimista. Miss Perfeição. Mas, se fosse pra ser pintada, acho que eu sairia meio borrada. Até um pouco apagada, com contrastes e algum clarão.

Adorei você artesã!

Beijos, Let.

Kenia Cris disse...

É verdade, "Deus é milagre sem hora marcada" - e quanta delicadeza há ná surpresa da hora dEle. Bela, bela, bela a busca pelo 'ser melhor' e 'ser maior'. Mesmo que a gente nunca chegue ao resultado desejado, conseguimos ainda nos modificar de várias formas pelo caminho.

Tudo que você diz é ouro e amor. Por isso tem um selo pra vc lá no Poesia Torta, espero que lhe agrade, recebi de outra lutadora sonhadora professora mulher muito especial. Repasso.

Beijo cheio de carinho e cheirinho de flor!

gato preto disse...

"faço sorrir toda e qualquer triste criatura que saltar de estrela sem pára-quedas ou poeira etérea."
do medo fazer nascer a coragem e fazer inexistente bem e mal.
Fazer inexistente qualquer definição, apenas ser. Ser todas as definições bastaria...
Lindíssimo texto!

Simonne Allice disse...

De repente você fez uma leitura da minha alma...
Começo a duvidar da sua existência.
E, no entanto, você existe. Você é real e cria um mundo à parte, onde muitas vezes me recrias sem mesmo saber.
Estranho poder o seu, minha amiga...
:D
E agora que me desnudastes diante de um número ilimitado de pessoas, o que pretendes fazer?
Talvez, o próximo passo seja sorrir para a estrelas e imaginar que elas são apenas um lugar distante aonde iremos muito em breve, assim que o próximo cometa passar.
Beijooooo, Let!

Zélia disse...

A Teoria nos manda separar escritor/obra. Sei bem fazer isso 8). Mas também sei que um escritor vomita aquilo que sente, enxerga, pensa. Percebo uma escritora de eu-lírico bem decidido, definido:


"...porque sou lasciva menina ingênua que chora em únicas lágrimas o poema por hora inexistente."

"Esse texto é meu."

"Vou rezar missa inteira."


Assim como se encontra a escritora. Acho que vc descobriu a definição mais apropriada para o escritor que vive e que trabalha a vida. Ele não é nada menos que um "artesão". Alguém que dá vida ao que chega as suas mãos.

E vejo livros se abrindo e uma vida seguindo...

;)

Germano Xavier disse...

Sim.

Du disse...

Eu tava morrendo de saudades daqui, falta de tempo, sabe como é...
Me faz bem esse conjunto, texto musicado!

Beijos, querida Leticia!

Tâmara disse...

Leticia, que delicia te ler!

Lorena disse...

Dorothy e sua bicicleta, nada mais do que a feliz inocência de conhecer o lar do próprio coração. Me vejo em ti, person, me vejo em ti...

Amo.