01 julho 2009

o silêncio das agulhas



Ela acordou, vestiu suas roupas e saiu. Ficou no ar o perfume. Sempre permanece. Ela abandona a casa por algumas horas, mas permanece. E eu não disse bom dia. Falei nada. Desejei tudo. Deitar em nossa cama, fazer dela o meu absurdo e amar ridículo a minha bela feminina. Mas eu não falo. Verbo nada e vejo a imagem se distanciando. Vou à varanda e a vejo caminhar. Indo longe o seu vestido azul e seu modo de andar leve e alegre. Mas é de uma alegria triste. Por isso não sei partir. Já ensaiei dezenas de despedidas. Em cartas, bilhete colado na geladeira, deixar um poema entre as roupas que sei que ela irá arrumar. Ela vive de arrumar a casa, elaborar planos e amar até o desengano quando fico mudo de receio e não respondo quando ela me questiona. Ela não é feliz, embora viva de sorrir. E me ama mais do que mereço. Admito ser um erro em sua vida porque não a compreendo. Aliás, eu entendo. Compreendo você que mal sei dizer o nome sem que me exploda em cólera, ciúmes e esse terrível desejo de matar você. Me deitar sobre o corpo e silenciar a sua boca de tanto amor. Mas sou inesgotável em raiva. Não digo palavra que possa acariciar a mulher. Minha mulher que ama o homem que sou e, mesmo que finja que não estou a observá-la, ela sabe. Lê meus gestos e pensamentos. Talvez seja esse o motivo de meu silêncio. Sou mudo de amor por este ser tão pequeno e se tranca no quarto quando brigamos. Eu fico atrás da porta. Ela chora e eu queria entrar e dizer a verdade. Sou amor e não pela metade. O que tenho é essa vontade que não evapora. Não é como a chuva no asfalto que se ergue ao ver o sol. Eu preciso de você como um museu precisa de seus fantasmas. Preciso de você assim como poetas precisam entornar todas as memórias e derrotá-las. Eu amo você como quem morre. Febril e congelado. Antiquado de tanto amar com medo e essa minha feição de desapego é a minha proteção. Você é mais forte que eu, embora esteja chorando. Um dia, e ela chora. E eu penso em dizer o que deveria ser dito, mas é trágico o destino de um homem imenso de orgulho. E as horas passam, ela volta. Trouxe flores, falou de alguém que morreu e me serve um café. Pessoas morrem e hoje chove. E o perfume de minha mulher me faz calar. E da varanda vejo as árvores enquanto ela mulher se despe em nosso quarto. O silêncio me liberta quando ela me faz desejar.


Image by cessar

12 comentários:

Glaucia disse...

Adoro amor assim, amor acorrentado, amor que ensaia partir e não consegue. É lindo de ler, demais.

"Eu preciso de você como um museu precisa de seus fantasmas."
(paralisante) ;)


Letícia, acho que nem preciso dizer que sou sua fã, né?
=)
Nada é tão bom quanto entrar no painel do blog e ver que tem texto novo seu...

Beijos, linda.

Beto Canales disse...

gostei

Mai disse...

Amor é exercício de morrer, é guerra, mesmo...E amar tanto assim é viver e morrer é veneno e vacina é sorrir e chorar e é lindo ler esse amor por tuas mãos, Let.
E eu senti o cheiro do amor, quando li, vi e senti a chuva levantando do asfalto, em direção ao sol.
Tu matas mas no tanto que escreves, teu amor não morre mais porque isso que li é coisa de deuses, é imortal.

Beijo você, Let.
E te reverencio, sempre, sempre.
Lov u.

Leo Mandoki, Jr. disse...

já falei nisso algumas vzs...nunca na minha vida recebi um poema ou um texto de amor. Recebi bilhetes, torpedos, recadinhos....mas textos e poemas nunca!
por vzs imagino q as tuas palavras tomem o caminho do meu coração....mas é so imaginação, pq qnd tu escreves não pensas em mim, logo as tuas palavras não se encaminham para a minha direcção.
....
tem uma cidade aqui em Portugal com varandas assim..a cidade chama-se Chaves...as varandas de Chaves são famosas
um beijo
(hj mais um desencontro)

Lorena disse...

Lê, faz tempo que eu não venho aqui te dizer que você me lê e me escreve... Sei que o texto não é meu e nem é pra mim, mas me aposso dele, porque a identificação foi imediata!
=)

Seus personagens têm vida plena em mim.

Love you.

Márcio Almeida Júnior disse...

Mais um ótimo texto, filho legítimo da sua sensibilidade.

Germano Xavier disse...

Bandeira reclamaria plágio
eu diria paráfrase na frase
fique quieto, Bandeira
porque poema só há um
como diria Schiller
daria um tiro pra cima
ou comeria um javali
javanês não falo, Lima
mas entendo o que esta mulher
insistentemente diz

Zélia disse...

Tristeza e silêncio. Duas coisas que andam juntas. Quem entristece, normalmente, cala. Ao contrário do silêncio e da tristeza. Nem sempre silenciar é igual a entristecer.

O silêncio é fundamental. Todo barulho surgiu do silêncio. O silêncio anuncia a vida. E é vida que deve surgir depois do silêncio. O silêncio do bebê na bariga da mãe é quebrado pelo choro da criança ao nascer. Vida começa. Novela longa...

A tristeza cala em qualquer parte da vida. No entanto, para que a vida aconteça plenamente é preciso lembrarmos de deixar a tristeza em seu canto e quebrá-la com um canto sempre que ela parecer nos sufocar.

É preciso lembrar que mesmo no silêncio as agulhas estão trabalhando...

Nice job! ;)

Kenia Cris disse...

Belo, como todos já o disseram! Venho pra retribuir a gentil visita ao Poesia Torta, o comentário carinhoso, dizer que te linkei também e voltarei sempre pra saber o que anda criando, encantadora de mentes.

Também sou professora de inglês, aqui começam as coincidências!!!! Beijo carinhoso, cuide desse sorriso lindo! ;)

Éverton Vidal disse...

"Nada é tão bom quanto entrar no painel do blog e ver que tem texto novo seu..." (2)

Pena que ando meio desligado da net. Mas eu estava pensando em como seria bom ter um livro seu, assim de papel nas maos. E quis saber como anda as coisas, em que pé está o seu projeto.

Grande beijo.

Jaqueline Lima disse...

O amor. sei bem como é amar demais. perder o ruma. disfarçar as palavras. chorar. desejar.

parece coisa minha esta tua história de amor exagerado. acho que a mais bela que li. as palavras traduzindo coisas que o silêncio guarda...

Beijo menina!

Anônimo disse...

Lindo texto Let. Nossa mexeu demais comigo, intenso...como o amor! Não sei não viu! mas acho que vc sempre se lembra de mim ahahahahahaha. Perfeito.
beijos amiga!