07 agosto 2009

semânticos



"Não sou eu, mas sim o perfume
que em ti me conserva e resume
o resto, que horas consome."

(Cecília Meireles)



O fogo cruza o abismo de tantos eus e ergo a face justaposta em claridade que me espanta de amor e encanto ao vibrar meu canto e celebrar quem amo indigno de minha vontade. Se ora enxergo o que há em mim de tão bendito, vejo o aniquilado destino em fugir de tua força que era amor, agora exército. Armas contra mim, elemento vulgar de múltiplos trópicos, e morres febril em falsa túnica de minha outra espécie. Espalhas em sombra, em linha reta o verbo de esclarecer dor que tanto impacto me causa e que constrange a verdade que meus olhos não enxergam. Ora me tens amor, ora oposição. Ora castras minha voz, ora explodes em mim o orgulho feroz dos amantes. Ora corados estão nossos corpos, ora a terrível nuance de um despertador. E não importa se me cortas. Sobrevivo ao sangue que apavora as ilusões.


Image by Amélie Robert

8 comentários:

Zélia disse...

"Lindo, querida! Lindo!"
Homer Simpson

:P

"Eu quero a sorte de um amor tranquilo", já disse Cazuza. Nem sempre o temos... Amores são turbilhões. Amores são palavras. Palavras em turbilhões. Semântica do eu e você. Amo. Ponto. Sigo. "Sobrevivo ao sangue que apavora as ilusões" (Letícia Palmeira) e continuo querendo "Todo amor que houver nessa vida". (Agenor de Miranda Araújo Neto).

PS: Às vezes, me repito e digo e copio: Você nasceu escritora. ;)

José Ferreira Sobrinho disse...

Esse jogo antitético ficou muito bom!

E não vai dar para você levar esse livro agora...

Tenho dito!

Germano Xavier disse...

O indizível aqui também já fora dito. Fico, leitor, à mercê das imaginações, tão nações...

Sem fim.

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Letícia, mais um texto perfeito em sincronia de palavras e sentimentos. Gosto muito quando admitimos nossos "eus", sei lá, é sinal de humildade, de conhecimento próprio, do se saber bom e mal, humano...
São as diversidades, ora sim, ora não...ora talvez, ora senão...
Um abraço na alma...bom fim de semana, bom domingo dos pais...e parabéns, admiro sua forma de escrever...

Biba disse...

Assim, conciso, assim inquieto e brando ao mesmo tempo. Adoro esse tipo de texto, Letícia, que diz tanto em tão pouco.

Beijos,
Carpe Diem!!

Kenia Cris disse...

Vou fazer das palavras de todos, as minhas palavras, assim não repito minha admiração diante dos seus textos. Você é genial, doce e intensa. Beijo-te carinhosamente.

Mai disse...

Mais-que-perfeito!!!
Tu, já sabes, és phoda!

Bjs, Let.

Thomaz Ribeiro disse...

Muito bonito. O amor é como um bicho feroz, igual ao seu poema.