18 setembro 2009

amor de ética



Quero amar cara de alma e corpo na mão. Amar doente morrendo toda, agonizando clemente, fazendo simpatia pra dizer que tenho amor. Chamar curandeiro que me faça desistir e voltar a amar como marcha à ré de carro automático. Doente de amor e vadia. Fé torta de minha língua em pescoço de amor e amar de ferro, fogo e pontapé na rua quando o amor esfria. E se esfria, quero amar mais cara e veemente. Amor de idólatra, romana, esquecendo de mim e amando Deus, somente Deus, e amando tudo. Até as sujas e simplórias mãos. Amar de vagabundo dormindo no chão e rir tonta de mim mesma porque amar me faz rir e abrir flores e ler em voz alta cartão clichê que diz que ama. Me deixa amar mais cara o seu signo, sua voz e a fome que tem de tanto procurar velas no cais. É tudo vazio e amor só há em mim porque sofro de amor e repudio padrão e não caio na boca grande que diz mal de mim. Eu amo imenso de corpo e talos de tudo quanto é flor que existe. Amo mais que mãe quando o filho vai embora dizendo que não volta e não olha pra trás. E você me perde porque não sabe que amor é doença boa que acomete de tristeza e crueldade tudo de um tempo só. Amor meu é copo cheio entornando água e relógio contando minuto que já passou. Amo largo em farto tempo e, se morre o amor primeiro, amo outros tantos mais.



Image by radina

13 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Este texto é maravilhoso! Agradeço esta partilha!
Um abraço e lindo final de semana

Biba disse...

Texto que parece um jorro, o do próprio ato de amar. Lindo lindo lindo!!
Deixei mensagens pra você no meu blog

beijo e afeto
carpe diem!!

Ilana disse...

Amor só serve assim, condensado de paixão e transbordando atos que o comprovem. E ao final, se o sentimento for aos poucos definhando... Nada como um novo, pois é amor, mesmo que mude.

Como sempre, belo texto

Zélia disse...

Seu texto, meu espelho. Espelho de águas claras e vivas que espalham o som da canção que ouço agora de um cd que vc me deu há tempos que não se contam:

"And I know I was wrong
Whem I said it was true
That I couldn't be me and be her
Inbetween without you
Without you
Without you..."

Robert Smith na voz de Herbert Viana e Érica Martins in: Inbetween Days

;)

Joseph Dalmo disse...

Olá Letícia..retribuindo a gentil visita... tenho acompanhado suas postagens aqui no Afeto Literário e notado a sua versatilidade e talento com a escrita. Atualmente, estou muito ligado na sua prosa, eu aprendo muito lendo você...

Monday disse...

Oi, Le, tempinho muito, não? São os afazeres outros, mas quem conhece as velas que ancoram nesse porto jamais deixa de voltar, mesmo que não haja vento.

Intenso e denso, trasnbordante e levemente insano, pois senão vira amor de livro de receita, que só existe na imaginação das autoras de revistas femininas.

E concordo, após o primeiro, sempre virá outro ... e assim, infinitamente ...

Germano Xavier disse...

De quem será o amor?
De quem será o amar?
Palavras que tão grandes que dentro delas estão o ar e o mar.

Cada um sabe de quem.
Sabemos?
Sei?

Elcio Tuiribepi disse...

Eu ia destacar duas frases que gostei muito e uma delas era a última, eu disse era...
Comecei a ler ao contrário e a da mãe, a do relógio, da crueldade...enfim...suas frases curtas são enormes...um abraço na alma que vive entornando palavras e sentimentos nos olhos da gente...parabéns pelo livro...bjo

Mai disse...

Oi, Let.
É isto e vc. diz tudo.
Amor como ética, é movimento, não é contemplação, é prática, é vida que segue e dobra a esquina e vai...
Gostei muito.
Bonito como você.
Beijos,

Thomaz Ribeiro disse...

O que falar de seu texto? Não sei. As palavras fluem e dizem tudo por si só.

Lualves disse...

Delícia de amar esse seu...
Adoecemos do mesmo mal...

Vamos tomar um "Café Comverso"??

Lualves

Camilla Tebet disse...

É assim que o amor alimenta. Só assim. Já li sobre amores e agora acabo de ler sobre o amor que alimenta de verdade e dá energia para viver.
Sempre lendo vc.

Éverton Vidal Azevedo disse...

Interessante é que encontrei esse texto por acaso no google, enquanto procurava uma imagem para "amor e ética". Aproveitei e li rs.

BJ.