29 dezembro 2009

crônica e poética



Fim de ano e mais clichê. Por isso me dispo, por isso me deixo ver. Sou Drummond com extremos níveis de progesterona e qualquer coisa em mim me diz que nasci rainha da Mesopotâmia e quem liga? Ninguém à porta, ninguém me acorda e durmo o sono dos dias. Tenho mais amigos que posso carregar e, certas horas, não tenho ninguém. Mas a culpa é minha. Busco estar sozinha, fritando minhas quinquilharias em minha cabeça de mulher enguia que desliza longe de qualquer coisa prática. Gente prática, moderna, gente descolada que sabe tudo de cor e resolve todo e qualquer problema, vou me rebelar: Não é o fato de odiar vocês, Gente Moderna, é simplesmente o afastamento. Não se pode Ser humano assim. Tudo certinho, ponto com nó bem afiado e risadinhas no fim do dia em algum barzinho maçante cheio de gente maçante que me cansa os ouvidos. Por isso um quarto só para mim. Sou Virginia Woolf cheia de extremos de um cigarro a outro e apresento altos níveis de testosterona. E a coisa poderia estar bem pior. Se eu decidisse estudar Filosofia ou me afundar em tequila e fazer amor? Isso seria o fim porque não se vive assim declarado. A vida está mais para uma viela onde todo mundo se conhece do que para uma viagem sem volta ao desconhecido. E há crimes, barbárie e eu ainda não entendo as tais agulhas no corpo da criança; passei noites tendo sonhos e correndo atrás de um homem e minha terapeuta me mandou conversar mais. Por isso busco a natureza e deixo coisas para trás. Sou Walt Whitman pagando impostos e apresento altos níveis de insensatez. E ainda consigo dizer que o dia é bonito e acordo colorido pra ver mais um tempo passar. Um amigo me telefona e diz que tem problemas. E eu vou anotar seus problemas e ajudo você. E você também pode me ouvir? E, antes que eu termine de me contar, ele desliga e vai cuidar da vida. É assim. Olho por olho e um fiasco de amizade. Por isso insisto e penso e faço tanto existencialismo arrebentar a cara de quem me quer. Sou Martin Heidegger olhando pros lados e assistindo reprise em sessão da tarde. Que custa ser fraco? Que custa dizer que é difícil dar o próximo passo? Por que é tão impossível admitir que o fundo do poço também faz bem? E, olhando meus livros agora, percebo: Sou eu mesma. Lendo mais que dou conta, pagando minhas dívidas, amando insegura, ainda querendo conhecer a Islândia, tentando escrever poesia e recebendo crítica. Essa coisa de mulher moderna me emperra o dia. Sou Amélia atordoada e coberta de adjuntos adverbiais da Dorothy Parker, marchando em busca do soldado desconhecido e meus atentados terroristas sempre mal sucedem. As bombas explodem em meu jardim. O melhor a se fazer é abrir champanha, brindar nossas âncoras, adorar santos e esquecer. Por isso me arrisco. Por isso faço alarde e durmo tarde. Sou a mão que ainda arde a espera da outra face. E o Alberto acorda certeiro escrevendo crítica e eu dou o primeiro mergulho em minhas relíquias e não compro brigas. Acho que ainda não amadureci. Não o suficiente.



E uma música para acompanhar.







16 comentários:

Sonhadora disse...

"Sou a mão que ainda arde a espera da outra face"

Vir aqui só me aumenta o desespero para que seu livro chegue logo!

Você é sempre incrível assim? Ou só quando escreve?

rs, beijo Letícia.

Letícia disse...

Gente Minha,

Passei 50 anos tentando postar esse texto, mais 50 anos tentando colocar a música (Uma das minhas favoritas do Kid Abelha) e mais 50 anos tentando postar um comentário pra dizer que o blogger tá um caos, mal consigo visitar sites e ler. Não sei bem qual o problema, mas espero que não dure até o ano que vem. =)

E preciso ler muitos blogues de meus amigos, mas não consigo entrar. A culpa certamente é da KGB ou da Casa Branca, como diria a Jana Lauxen.

Um beijo para todos.

jamesp. disse...

Lindamente escrito esse texto.Viajei muito.Parabéns.Um ótimo 2010 e um abraço.

Zélia disse...

Bom, acho que nesse rítimo terei mais uns 50 anos para comentar. Com o tanto de coisa que eu tenho para dizer, talvez, seja suficiente.

Texto-mundo! Antes, adoro essa fotinho!

Vc diz: "Não se pode Ser humano assim." Pe. Fábio de Melo diz: "Sou humano demais". Aparentemente, uma frase é a negação da outra. Mas não! Elas são complemento do mesmo pensamento. Não se pode ser "...humano assim. Tudo certinho...", vc completa na voz do seu eu-lírico. Portanto, quando o Pe. Fábio fala:

"Teu amor desconcertante
força que conserta o mundo
Eu confesso não saber compreender

Sou humano demais pra compreender
humano demais pra entender
Este jeito que escolheste de amar quem não merece" (Pe. Fábio de Melo em: Humano Demais)

Ele completa o pensamento expresso no texto com relação a nossa "humanidade". Quando tentamos ser "humanos demais" acabamos por deixarmos de ser humanos um pouco. Não há problema em nos mostrarmos fracos quando assim nos sentirmos. Nos faz bem sim dizermos que estamos no fundo do poço. Desde que não esqueçamos de tentar e buscar sairmos de lá. Assim como nos diz o eu-lírico em sua filosofia de crônica e poética:

"E ainda consigo dizer que o dia é bonito e acordo colorido pra ver mais um tempo passar" (A Escritora deste blog)

É isso que nós faz humanos na medida certa. Nem demais nem de menos...

Para concluir:

"Os heróis na minha blusa
Não são os que você usa
E eu não te entendo bem"

(Kid Abelha em: Uniformes)

Mas o fato é que eu continuo querendo vc perto de mim e, assim, vou vivendo, construindo meu caminho e meu tempo.

Muito bom trabalho!!! (E eu jamais me contentaria em dizer apenas isto!)

.Leonardo B. disse...

[é um vicio ser; é crime passar os nossos próprios capítulos, um pouco mais para a frente; somos livro, para ler devagar, só porque somos!]

um imenso abraço
incondicionalmente
feito de mão, tronco e braço

Leonardo B.

Mai disse...

Essa imagem fala, urra e dá prá ouvir. Revés de baque é brecha nasce flor em fenda de asfalto.
Um beijo querida.

Beto Canales disse...

Hummm...

Beijo, doce Letícia...

Mariah disse...

me sinto a cada dia mais próxima de Amélia do que de Joana D'Arc. Meus amigos, que tudo sabem, viram todos os filmes e ouviram todos os cds...continuam se reunindo para "eternamente felizes" happy hours...ainda não consigo ler Virgínia.

Biba disse...

Venho aqui cheia da humildade dos que se sabem ainda pequenos. Venho aqui refeita do mundo e cheia de afeto pra te dar. Encontro mais um belíssimo texto e me enrodilho nele como se fosse eu, eu mesma nele. Que benção!

Feliz 2010
Carpe Diem!!

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Letícia, esquenta não, faz o seguinte, abre a champanha e comemore o não amadurecimento, cair do pé, machuca...é humano...


SONHAR


SONHAR É QUALQUER COISA DE BOM

DÁ COR AO QUE VOCÊ DESEJA E QUE AINDA NÃO PODE

DÁ UM TOM DE REALIDADE AO SENTIMENTO

ENGANA A DESESPERANÇA COM UM TERNO OLHAR DE
QUEM JÁ TEVE

DÁ AO CORAÇÃO UM SOPRO DE VIDA

UMA QUASE VENTANIA

UMA IDÉIA FIXA DE QUE É POSSÍVEL

MESMO QUANDO TUDO TE MOSTRA O CONTRÁRIO

AÍ A GENTE DÁ FÉRIAS PRA TRISTEZA,

E COLOCA A FELICIDADE PRA TRABALHAR.

Que assim seja no decorrer de seu Ano Novo...coloque sempre a felicidade para trabalhar, se for preciso, que ela faça hora extra....
Um abraço na alma...Feliz Ano Novo... bjo

Fernanda disse...

Nem sei o que dizer sobre um texto tão profundo como este. As vezes tenho uma preguiça de ler, mas seus textos leio todos, do início ao fim. Adoro eles. Quero desejar um otimo 2010!! Abraços carinhosos e que 2010 venha com muiiiita coisa boa para você.

.Leonardo B. disse...

E porque as coisas bonitas acontecem sem planos, a nossa amizade aconteceu, Leticia!

Não resisto a partilhar, uma mensagem “urgente” que a Amiga Rejane me enviou; partilhá-la é o mínimo que posso fazer, possa ou não ser “prematura”, tamanha declaração:

“Depois de uma séria e cautelosa consideração, gostaria de notificar a renovação do nosso CONTRATO DE AMIZADE, para o ano de 2010 e seguintes…

“Nunca desvalorize ninguém…
Coloque cada pessoa perto do seu coração
Porque um dia você pode acordar
E perceber que perdeu um diamante
Enquanto estava muito ocupado a coleccionar pedras”

[Mande este abraço para todos os que você não quer perder em 2010, adverte-me a Amiga Rejane: é meu dever, minha tão grande obrigação…]

Um imenso abraço

Leonardo B.

Um imenso carinho, com tudo o que a vida conte, incondicionalmente

VALTER FIGUEIRA disse...

Adorei seus textos
adorei seu blog
adoro vc.
Um abraço e feliz 2010

Monday disse...

Le, às vezes fico na dúvida se o melhor é vir aqui te ler ou espalhar seu link entre os amigos, para que eles possam saborear seus textos também.

Talvez os dois.

Preciso tirar algumas preguiças do corpo e sentar na frente da tela certa do monitor. E aqui, com certeza é uma delas ...

Flor com Espinhos disse...

escreve com a sutil sinceridade de se Ser humana...leve, humana, linda...adorei..

Germano Xavier disse...

Este eu li umas 15 vezes. Só tenho a dizer que você aproveita bem o seu tempo. Feliz o Pedro quando crescer, caso goste de leitura.