17 junho 2010

burras criaturas







Você pensa em Deus? Pensamento intrusivo enquanto você olha pelo retrovisor e espera a multidão atravessar a rua. Todo mundo de passo largo. Um bando de objetos da mesma espécie. De pernas e braços e todos sonham recheando o futuro de cansaço. Multidão de gente igual a você. Que coça os olhos de sono e pensa que ninguém vê seus vexames de solidão, suas chances gastas de tantas tentativas, seus medos de criança que nunca irá ao médico sem a presença dos pais. Talvez você ainda seja a criança correndo no meio da noite a procura da casa de seus pais. O corpo cresce, mas todo o resto permanece feto, embrião, óvulo que seja fecundo pelo bem da família. E ao esconder as mãos nos bolsos ou acender cigarros alguém verá que sua voz embarga engasgada por tudo que faz doer sua existência e a necessidade ensaiada de ser produto que traga frutos e que seja próspero o lucro de seu trabalho. Será que Ele pensa em você? Terá Deus tempo de pensar em você? Enquanto você dorme, ou sofre suas insônias, ou açoita suas ilusões dizendo que não viverá, que não poderá, que não terá coragem de seguir o apressado ritmo das coisas. Ele estará de sobreaviso sabendo que talvez você precise? Talvez ele nem exista. Você pensa que talvez Ele não exista. Será mais fácil enfrentar a vida acaso Ele não exista? Lavar cabelos e praticar futilidades. Fazer sexo de forma suja, pornográfica, enchendo a boca da imunda oralidade das ruas vivendo sua plena e insensata forma de amor. Terá o Criador compaixão pelas burras criaturas afetadas por remédios, sedentas pela química que faz com que atravessemos dias sem que nos vejam sofrer? Saberá o Ser Maiúsculo o quanto você se arrepende frente ao desejo inconsciente de pedir perdão porque errou em desmantelo e não há mais volta? Tempo é carretel de linha curta. Se esvai na miuda costura que governa a envergadura de toda espécie. Se esvai nos costumes e na moral que nos alinha para que nada saia do enredo. Somos cúmplices da vida. E existe a vontade de ser ator e viver do improviso. Mas é um grande risco a se correr. Há perigo. E, após olhar o retrovisor, você decide esquecer tudo em que pensou. Pensar enlouquece. Melhor viver feito marionete. Melhor obedecer.





Image by Anna

9 comentários:

Sonhadora disse...

Durante a minha mínima jornada de vida (em trânsito), posso dizer que marionetes não sentem remorso.

;)

"Terá o Criador compaixão pelas burras criaturas afetadas por remédios, sedentas pela química que faz com que atravessemos dias sem que nos vejam sofrer?" (me pergunto sempre).


E adoro a palavra "esvai".

*-*

Juan Moravagine Carneiro disse...

Melhor morrer de vodka q de tédio já dizia Maiakóvski

Elis disse...

Depois de tanto tempo afastada, curioso como encontrei palavras que me caíram como uma luva no dia de hoje!
Te texto me deixou no mínimo intrigada, caríssima!
Dinâmico, como a maioria dos textos que leio aqui, mas me deixou com aquela sensação medíocre mesmo de "que eu to fazendo aqui?"
Continuemos!
Belíssimo texto!
Abraço
Elis

Éverton Vidal Azevedo disse...

Eu acho que todo mundo nalgum momento da vida para ante essa questao. Deus existe ou nao? E se existe porque as coisas estao assim? Eu acho que no fundo no fundo (e essa pergunta sempre vem lá do mais profundo) só nós mesmos podemos nos responder quanto a isso.

E eu também lembrei de uma frase de Wood Allen, mais ou menos assim:

Primeiro Deus morreu. Depois Nietzsche. E agora sou eu que nao me sinto muito bem. rrs

Let, você continua genial.

Um bj!

Biba disse...

Tão bom vir aqui! Saudade dessa sua prosa linda e profunda.

Beijo
Carpe Diem!!

Zélia disse...

Houve uma época em que eu pensava demais . Em tudo. Pensava, conversava, brigava, confabulava, fazia de tudo. Tudo comigo mesma. Quase enlouqueci, claro! Hoje, eu penso, digamos que, moderadamente. Além de enlouquecer, pensar cansa. Agora, vivo a fase do "não-cansar". Paro tudo que estou fazendo quando me sinto um pouco cansada. Pernas pro ar. Só volto depois.

Contudo, eu continuo pensando muito em Deus - meu marido diz ser "reflexo dos meus ensinamentos de criança". Que seja! Pensar em Deus não cansa. Penso n'Ele o tempo todo. Nos grandes e, especialmente, nos pequenos momentos. Talvez, por conta da pressão, sei que Ele também pensa em mim...

;)

VELOSO disse...

Lembrei de Raul Seixas com sua prosa! Parabens!

Jaqueline Lima disse...

Pois é...melhor não pensar...

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Letícia...
Tempo é carretel de linha curta..adorei esta expresssão...e mais uma vez saio com a impressão de que vou levando a sua própria incerteza, seus pensamnetos mais profundos acerca de...
Acho que Deus está com a gente, dentro da gente...Deus é a sua atitude para com o próximo, dependendo dela ele está perto ou está longe...ele te acolhe ou te abandona...no sentido de que nós mesmos nos abandonamos Dele...
Eu penso muito...e de tanto pensar as vezes não me encontro dinate as tantas possibilidades que vislumbro...
Um abraço na alma...
Beijo...obrigado pela presença lá no Espaço Aberto...Chico Buarque...
Adoro as letras dele...valeuuu