10 janeiro 2011

adamastor





Frenético corre-corre, mulher louca com a cabeça cheia de bob, homem nervoso suando chaleiras, criança de colo, criança de chão, criança grande e velho a dar com o pau que é dia de casamento e a casa está abarrotada de parentes porque casamento ninguém perde que é festa grande, comida muita e é bom exibir roupa pra parentada toda. E que se danem os noivos. Dois imbecis que de nada sabem. O povo quer festa. A noiva bonita de cara rouge angelical se arruma com as primas que elogiam e aconselham a respeito de sexo. Engraçado é que em certas ocasiões todo mundo vira expert em comida, dicas sexuais e etiqueta. É tanta gentileza e sabedoria e tanta nojenteza que não há quem diga. Mas vamos que é dia. O noivo, que mora duas quadras acima, se arruma descansado pensando na vida de solteiro. Mal sabe ele que vida de solteiro só começa após casamento quando você deseja outras frutas que não cabem no cesto. E a noiva se arruma toda se tremendo e não é mais virgem e faz seis meses, gente, e foi bom. Basta a gente gemer um pouco, fazer cara e fazer boca, dar umas tremelicadas e, quando fico seca, dano creme que é pra ele pensar que estou de amor melecada. As primas todas dão risada das artimanhas da noiva que ficou bonita de verdade, branco perolado, véu e grinalda e buquê de flor natural. As primas, que são damas, vestem-se de lilás. Os tios e tias, tudo de barriga roncando, tudo doido pra matar a fome, correm todos e haja carro, táxi ou van. Parece até cortejo. A noiva vem logo atrás, beija mãe e pai e entra no carro alugado para a ocasião. As primas solidárias ajudam a noiva a entrar no carro e, cuidado, senão ela despenca o penteado. A noiva senta e vai nervosinha de feliz seguindo pra igreja a moça que vai deixar de ser solteira e o mundo inteiro diz amém. Enquanto isso, ao volante contratado, Adamastor sorri pensando no vencedor do campeonato, e não vê a hora de chegar em casa, entupir o tonel de cachaça, encher de sopapo a mulher e bolinar com desmesura sua linda, jovem e silenciosa enteada.





Image by Mica

3 comentários:

Ana SS disse...

Que beleza começar a semana te lendo.
É um deleite.

Zélia disse...

"Adamastor"? Adoro nomes assim. Acho que vc nem sabe que eu invento muitos e muitos nomes estrambólicos. O da vez é "Astrolônsio". kkkkkkkk
Bom, deixa pra lá.

Esta noite sonhei com os preparativos de um casamento. E eu nem tinha visto nada do teu texto antes... Meu marido disse que é morte de parente. Será? Era só preparativos. Nem vi a noiva de noiva nem nada...

Em todo caso, pé de pato!

Have fun!

NDORETTO disse...

Bastidores da sociedade. Nem todos cantam. A vida é um teatro mesmo.Vou ler o de baixo. Faz tempinho que não venho por aqui.Beijóca, N