31 maio 2011

contrabandeados





Hormonais


Solange começou cedo a viver seus vícios. Ainda menina já treinava maternidade cuidando de suas sobrinhas. Um pouco mais adiante, Solange adquiriu sabedoria para entender o funcionamento de seu corpo e, intensa, Solange atendia rapazes em romaria para lhe comerem o ventre famintos em hormônios. E o tempo alongou-se e Solange descobriu licores, rumores e arrependimentos. Casou-se cedo com o filho do dono da loja de autopeças. Solange descobriu a cozinha e carregava sempre a grande barriga de acumular crianças. Seus filhos cresceram ao choro de Solange e ao silêncio de seu marido que, por ironia do destino, descobriu que também poderia romper outras meninas que, tal feito Solange, sonhavam com a liberdade de suas meninices. Solange hoje é viúva, tem netos batizados, reside à Rua Rodrigues de Aquino e, hora ou outra, ainda sente o gosto de licor entre seus lábios.





Ao vigor da lei


Dizem que o homem era muito generoso. Assim como todos os homens generosos são. E era muito organizado, sentia prazer ao estar limpo, sincronizado, sempre em tempo mediante suas obrigações. Sua mulher o servia, sua família o amava, tudo mais era glória em seu destino e nunca o generoso havia sofrido. Sempre impecável em seus trajes, viveu, trabalhou, ajudou parentes, comemorou seus planos benditos, pagou dívidas de amigos, e, no dia de seu enterro, algo saiu de trilho. Generoso fora enterrado com seu terno amassado, descalço e sozinho.





Urbanismos


A cidade cresceu e tomou formas de gente grande. Carnuda e arrogante com seus gigantes prédios fenomenais. Carros nas ruas, pessoas nas calçadas, menino fazendo trapézio ao estampido de balas, mulheres fazem as unhas, homens leem jornais, casais retratam figuras, outros vendem enxovais, e, no meio de tudo, do ruído de todo infernal, há sempre alguém que sonha ser feliz, timidamente, ao abrir e fechar do sinal.






Image by Aaron Jasinski

4 comentários:

Zélia disse...

Quem será que levou a pior? O marido, que já bateu as botas, ou Solange que ainda arrasta a sua vida?

Dizem que é preciso fazer o bem enquanto estamos vivos para que na hora da nossa morte a gente possa passar por ela dignamente. Será que é mesmo assim?

Quanto vale uma cidade "carnuda e arrogante"?

Momento reflexivo. ;)

Sonhadora disse...

Conheço uma Solange. Gosto de observar as pessoas idosas e imaginar tudo o que elas já viveram no tempo em que o céu não era fosco.

Todo mundo vai ser enterrado de roupa amassada, cortada, descalço e sozinho. Grande consolo, não? Pobre Generoso...

Adoro a cidade, acho que foi a melhor invenção do homem. Sinal vermelho, faixa de pedestre, asfalto, vitrine, café, classificados, concurso público. Tudo lindo.

(lembrei do Lenine cantando "lá vem a cidade")

=)

Eder Asa disse...

Seja Solange ou seu Generoso, todo mundo sonha ser feliz, não é?
A verdade é que pra muitos o sinal abre e eles, estáticos, ainda travam alguns atrás de si.

NDORETTO disse...

Aiii, adorei a narração curta!!!! Tão envolvente!!! Amei urbanismos e Ao vigor da Lei.... Ameeiiii!!!! :)

Quero mais.
Bis.


(O da Solange,meio machista....eheheh)

beijobeijo