16 dezembro 2011

solitários













Solitários quase sempre buscam companhia em bancos vazios, planejam amores nas sufocadas vozes em longos telefonemas fora de alcance e morrem nadando em mares de tantos peixes. Todo solitário é masoquista. Castigam sua dor fazendo reverência a reis depostos, inflam balões para festas que nunca serão convidados e invejam camas onde nunca irão desabar cansados do êxtase que não houve. Solitário é sempre vítima de abandono. Autoflagelado que chora egoísta por uma visita, uma mão que o contorne em traços, um abraço convulso de paixão. Solitário é sempre o cão banido de casa. Um espetáculo de pessoa que desmorona em autopiedade frente ao espelho, chora na quina do quarto e sorri quando amanhece e veste a máscara da espera por outro dia que começa e por alguém que talvez interrompa seu estado mórbido de sofrimento. Todo solitário é mais humano.










Image by Antonia

3 comentários:

Isaac Marinho disse...

É sempre bom te ler!

Solitário, sinto no teu texto a textura, o gosto e o cheiro da minha própria solidão.

ediney santana disse...

"Solitário é sempre o cão banido de casa."
sim , somos , eu sou

Marcelo Novaes disse...

Letícia,


Nelson Rodrigues dizia: "Eu sou o mais solitário".



O navegador Beto Pandiani, acostumado à amplitude do Pacífico diz que "solidão é morar longe de si mesmo".



Os solitários são humanos também em sua distinção, para além de sua herança comum.




Um beijo, amiga.