14 dezembro 2012

carapuça










Lover's Spit by Broken Social Scene on Grooveshark






Tocou-me os lábios com a ponta da língua pensando que, de tal forma, estaria salvo de minha inapropriada vontade de domar cavalos. Beijou-me veloz e, por medo, partiu, multiplicando em centenas de vezes o sentimento que de mim aquele filho da puta nunca subtraiu.





Escrevo com raiva essa tal carta que nem aos correios servirá de entulho. E assumo extrema cólera. Não foi assim que aprendemos na escola? Não devemos guardar mágoas. Então, estou expondo todas, de uma só vez, em folha de papel. E depois vou publicar a coisa toda para que olhos vejam. Porque a gente adora saber que outros sentem o mesmo. Não tem graça sofrer sozinho. É preciso público, estandarte e muito jeito pra coisa. Eu sei sofrer. Mas não é de amor que sofro. É de abstinência. E de você. Eu nunca te amei. Engula. Eu até gostei daquele sexo-show-performático imitando filme. Sexo macrobiótico, hoje eu diria, com a boca amarga de mulher deixada em péssima hora e companhia. Porque eu estava por todos os lados e você sempre fingindo que me queria. Triste é a vida das criaturas marinhas que vivem presas aos padrões humanos. Entende? Não? Vide Cartilha Adulta. Porém, não a leia na presença das crianças com as quais você se deita, se camufla, veste fantasias e se envergonha.