10 agosto 2017

doce travessura








O mal de Sônia era amar todo mundo de forma igual. Sentiu-se inquieta certa tarde e decidiu sair para caminhar. Nos pés, as sandálias costuradas pela artesã turca que trabalhava em um ateliê da Rua 49.

Pisava firme. Sempre constante, Sônia olhava ao redor e enxergava o mundo feito de coisas que existem, mas que não são vistas, tamanha a cegueira que insiste em nos rodear. Parou diante de um jardim, no qual um senhor idoso regava um arbusto murcho de papoulas. Sônia identificou-se. E foi tão bonita a identificação que tentou falar com o senhor do jardim. Desistiu. Deixou o homem quieto e continuou sua andança pela rua.

Sentiu fome.

O estômago lhe pareceu oco de súbito.

A chaminé da padaria lhe surgiu como um chamado. Alegre e saltitante, Sônia atravessou a rua e foi dar com os pães e doçuras daquela tarde de sol poente. Cumprimentou todos, sorria de dar câimbra em bochechas. Avistou a vitrine de doces e bolos e estava feita. Sônia queria comer tudo. Olhou bem a cara de cada guloseima exposta. Não se encantou pelos quindins. Tampouco quis provar os brigadeiros e sonhos. Sua fome era outra. Não era de comida. Ereta e de mãos sobre o balcão de bolos e doçuras, ela ouviu a voz que vibrava no ar como um cântico morno de amor. De ouvidos prontos, Sônia girou o corpo de forma a encontrar o dono de tal raridade. Parado diante da gôndola de pães menores, ele conversava com todos. Falava das notícias do dia e era de toda maneira gentil mesmo que não fosse, pois a voz era seu encanto. Sônia seguiu o cântico. Parou anteposta ao homem, atrás da gôndola e olhou dentro de seus olhos pretos que nem joaninhas. O cabelo era branco e preto. Grisalho e muito belo de aspecto. O rosto era retangular. A boca avermelhada que nem o vermelho doce dos batons. Sônia entregou-se ao atrevimento de olhar minuciosa o corpo inteiro do homem. Era esbelto. Esguio. Grotesco nas mãos que eram grandes e em outros detalhes imaginados por Sônia. Que poderia ser aquilo senão um anjo? Ela se indagava e já imaginava a mordiscada que daria em cada lábio da criatura que ainda não lhe devolvia olhares. Esperta, aproximou-se pela esquerda, encolhendo seu corpo para que não fosse percebida. Queria porque queria sentir o cheiro do dono da voz de cântico morno de amor. Sônia estremeceu. O homem cheirava a creme de barbear e menta. E as roupas, quase brancas de tão brancas, aparentavam estar limpas e bem lavadas. Que guloseima perfeita para o dia! Sônia quis sorrir. Ela quis dizer algo. Sônia quis provar o homem que olhava os pães pequenos na gôndola fria. No entanto, ao pensar em movimentar-se para ir de encontro ao homem de cabelos grisalhos, Sônia percebeu que já estava satisfeita. Sua fome fora saciada pela visão encantadora da criatura que falava morno de cântico de amor grotesco.

Respirou fundo e saiu da padaria muito contente. Caminhou de volta para casa certa das maravilhas do mundo feito de coisas que existem, mas que não são vistas, tamanha a cegueira que nos rodeia.

Naquele instante, e por um dia, Sônia estava plena.










2 comentários:

Luis Eme disse...

A Sónia não se devia ter ficado pelos pãezinhos, embora assim não tenha estragado o encantamento, nem se afastado dos cheiros. :)

Nidja Andrade disse...

Belo conto!... Estou por aqui!... AbraçO