26 novembro 2009

joni mitchell, Veja e fauna e flora

Estou ouvindo Joni Mitchell e sou romântica e a Veja é uma revista que me causa diversos males, mas é preciso que se leia. Sou uma péssima vendedora de livros, não sei fazer marketing pessoal e o perfume do Jasmim de minha vizinha invade minha casa durante o dia. E hoje estou me preparando para colocar em ordem as cadernetas de minhas turmas. E vou corrigir provas e trabalhos e telefonar para minha mãe e ela vai dizer que sou meio desligada e nunca dou as caras. Minha mãe sempre tem razão. A pergunta que deve estar na ponta da língua é: E daí? E daí mesmo. Certas coisas são tão nossas que chega a ser crime torná-las públicas. Mas, acredito eu, coisas boas devem ser registradas. Hoje estou feliz porque recebi um e-mail do Cronópios e lá está um texto que escrevi. E compartilho com vocês que leem minhas linhas feitas de avessos um instante de uma vida.


É só clicar na imagem e dar uma olhada, ler, reler e ler mais e assim por diante.







E ouço Folk pela manhã. Joni Mitchell





Um beijo para todos.
E segue o dia em harmonia.

11 comentários:

Sonhadora disse...

Que texto, Letícia!

Tem dias que eu termino sua leitura sufocada. E é bom sentir sufocada assim.

Mai disse...

Let, a 'Veja' ainda vende, porque se vende desgraça e a propaganda permeia as notícias inúteis. São poucos os jornais interessantes e há livros que vendem porque fala o que se quer ler, ouvir e imitar.
Marketing pessoal, me explica melhor se isto é ser 'politicamente correto' no incorreto que é ser falso e clichê que eu te digo que nem combina contigo ser um boneco de plástico.
E veja que estamos falando da 'Veja' da fauna e da flora que floresceu e que perfuma a tua sala.
Quanto à fauna, cada um preserva o que quer, naquilo que se escolhe viver, ser, ter...

E sim teu livro é fodástico e paciência se tu não conseguiste ser distribuida por grandes marketeiros porque quem lê, sabe que tu escreves com o coração e uma crítica FDP de muita coisa que explode por ai.

Depois mas não por fim, lembrei uma amiga que me disse que "tem gente que pensa que escrever um livro é uma bomba atômica".

Depois da correção das provas, chegam as férias e o ócio até vai fazer sentir falta dos alunos, pentehos ou não.
Agora vou ler a revista (não a Veja)Cronópios. E tens amigos, sabes disto.
Beijos, Let.
E fazer previsão dá dinheiro tb.
Lembra mãe Diná?

Zélia disse...

Uia!!! ;)

williamlial disse...

Deixe-me ver: minha respiração normalizou? Tudo bem, tudo bem... Agora sim. Gostei do texto e da espontaneidade dele. Além disso, é muito bom ver um texto seu no Cronópios também.

Um beijo, menina!

William Lial

Lorena disse...

Voce sabe que Sine qua non é um dos meus favoritos, não sabe? Já disse mil vezes e repito: é literatura de alta costura. Ele merece estar no alto, você também merece estar lá. Aliás, você está onde deve estar. Nada menos. =)

E eu ouço folk de manhã, Joni é minha maior companheira nos dias de inverno... Amo a Joni, amo All I Want, amo o Blue, amo folk. E é a cara do que você escreve. Que eu amo também.

Sou sua fã #1.
Love you. =)

Pedro Avillar disse...

Parabéns, moça dos repentes. Lembra que te escrevi e disse que tua obra era fonte de repente? Me sinto agraciado por ter seu livro comigo. O que a moça de cima falou faz muito sentido. Literatura de alta costura. E, acima de tudo, você tem talento e muita humildade. Genialidade sine qua non.
Parabéns imenso, jovem escritora.

Meu tudo e/ou nada disse...

olá....
estava visitando diversos blogs e gostei daqui.. =]
vi cummins no seu perfil *-* amooo muitoo..
abraços

.Leonardo B. disse...

[a porcelana frágil da vida é semelhante em todo o lugar, em toda a margem da terra, em todo o sal que a tempera... o teu texto acontece, porque não é daí, não é daqui - é finito dia de toda a sombra de mundo que se preza e tantas outras vezes se despreza... a palavra acontece, a palavra é fundamento fundametal!]

um imenso abraço
deste lado do ribeiro atlântico

Leonardo B.

Razek Seravhat disse...

Excelente... A literatura agradece se você continuar escrevendo... Mas permita-me um adendo: procure corrigir esse seu lado meio desligado ou meio romântico, não que seja uma falta grave apenas pelos os outros que podem vê-la e não enxergá-la. E desculpe se falei como sua mãe. Se quiser retribuir a visita é só seguir o voo da esperança.

Ternura sempre.

Fernanda Luz disse...

Olá!!
Quando você fala da Veja eu penso...hoje em dia ou nos forçamos a ler revistas e jornais que nem sempre trazem boas notícias e assim ficamos atualizados com o mundo ou evitamos certas leituras e nos tornamos distante do que ocorre a nossa volta.
Sobre seu livro..pequeno fragmento que você nos oferece e que da mais vontade de ler o resto do livro. Parabéns pelos lindos textos...

Thomaz Ribeiro disse...

Parabéns. Este é um sítio de respeito, e seu texto está à altura para figurar nele.